Primeiro Encontro Brasileiro de Estudos para a Paz (EBEP)

O Primeiro Encontro Brasileiro de Estudos para a Paz (EBEP) representa o primeiro esforço sistematizado a fim de consolidar as áreas Estudos para a Paz no Brasil. O evento visa consolidar a Rede de Pesquisa em Paz, Conflitos e Estudos Críticos de Segurança (PCECS), criada em 2015, com o objetivo de expandir estas áreas de… Continuar lendo Primeiro Encontro Brasileiro de Estudos para a Paz (EBEP)

Exploring Peace in the Global South: partnerships and challenges

Por Vanessa Braga Matijascic (UNIFESP/FAAP/GEDES UNESP) e Natália Bueno (University of Coimbra – Kroc Institute) - There are few opportunities to explore peace in its most different dimensions. In the so-called American Midwest lies a distinguished institute where senior researchers, practitioners, visiting researchers, and young scholars exchange not only their passion, but also their diverse views and understandings about peace.

Geração de (In)Segurança: um Legado dos Megaeventos Esportivos no Brasil

Por Gabriel Fernandes Caetano (UEPB) - O texto busca refletir sobre o processo de relocalização de uma parcela de indivíduos e seus grupos durante a preparação para os megaeventos esportivos no Brasil. Para isso, utiliza-se a perspectiva literária dos Estudos Críticos de Segurança.

‘Construindo’ a paz: (re)desenhando o Estado sem reconsiderar a cidadania

Por Roberta Holanda Maschietto - Minha amiga Marisa Borges e eu temos trabalhado há algum tempo num projeto conjunto que combina as nossas teses de doutorado. Enquanto a minha pesquisa centrou-se na discussão sobre os efeitos da paz na promoção do empoderamento local em Moçambique, a tese da Marisa focou na questão da cidadania no contexto de construção da paz na Guatemala. A ideia de juntar os dois temas surgiu a partir do nosso entendimento de que, em última instância, cidadania e empoderamento estão intrinsicamente  interligados.

 Pacificação? “É a guerra, neguinho!”

Camila Braga - O texto busca explorar o que o conceito de pacificação impõe ao ser operacionalizado em uma agenda de segurança pública. Com o apoio da ONG Viva Rio, buscamos o conhecimento crítico daqueles que vivenciaram esse processo, com a criação das UPPs no Rio, perguntando a eles o que entendem por “pacificação”.